Dr.Heleno


Go to content

PNL



PROGRAMAÇÃO NEUROLINGUÍSTICA (PNL)


*Heleno Felix Torres

A Programação neurolinguística nasceu nos Estados Unidos na década de 70 a partir da junção de psicoterapia e da ciência da comunicação. Seus criadores, Richard Bandler (um analista de sistemas) e John Grinder (lingüista), buscaram o fundamento desta nova teoria na gramática transformacional de Chomsky, no pensamento sistêmico de Gregory Bateson, na terapia familiar de Virgínia Satir, na hipnoterapia ericksoniana e na terapia da gestalt de Fritz Perls (SPRITZER, 1993).
Duas pessoas, com formações tão diversas, mas que conseguiram encontrar um objetivo comum, que era o de desenvolver uma linguagem que fosse capaz de transformar a conduta humana, de mudar padrões de comportamento, já que os dois visualizavam a mente humana como um computador, capaz de realizar novas tarefas a partir de um programa específico (AZEVEDO, 2006).
Ao compreendermos que neurolinguística associa-se ao estudo dos modos pelos quais o cérebro consegue processar todas as experiências que vivemos através dos sentidos, utilizando para isso a linguagem verbal e não verbal, e que programação remete à capacidade de seguir um conjunto ordenado de passos para atingir um determinado objetivo, então é possível conceber que através da PNL é possível identificar condutas falhas, criando assim novos padrões de comportamento e melhorar nossa qualidade de vida.
Fiorin (2008, p. 38) explica de modo mais contundente como disciplinas tão diferentes podem afinal se juntar para produzir um novo campo de saber. Nas palavras do autor, “[...] interdisciplinaridade pressupõe uma convergência, uma complementaridade, o que significa, de um lado, a transferência de conceitos teóricos e de metodologias e, de outro, a combinação de áreas”.
Mas tão importante quanto saber o que é PNL, é saber onde ela pode ser
* Psicólogo, Especialista em Psicopedagogia, PhD em Psicanálise.
aplicada, em que situações ela é capaz de ajudar pessoas que sofrem com diversos
problemas, sejam eles de natureza física ou somática. Entre outras indicações, com a PNL é possível tratar fobias, dependência química, ansiedade, dor crônica, gagueira, melhorar a autoestima, mudar crenças e convicções limitantes. A PNL também pode ser aplicada com bastante sucesso nas técnicas de negociação, de vendas, na educação, tanto para alunos quanto professores e diretores, nos relacionamentos, em Marketing.
Enfim, seu campo de aplicação é muito amplo, uma vez que sua premissa básica é de que o homem, mesmo que não traga consigo, é capaz de internalizar os recursos necessários para atingir suas metas, já que carrega consigo a capacidade de aprender.

REFERÊNCIAS
AZEVEDO, Regina Maria. Programação Neurolinguística: transformação e persuasão no Metamodelo. Dissertação de Mestrado. 2006. Escola de Comunicação e Artes de Universidade de São Paulo. Ciências da Comunicação.
FIORIN, José Luiz. Linguagem e interdisciplinaridade. Alea. 2008, vol.10, n.1, pp. 29-53. ISSN 1517-106X.
SPRITZER, Nelson. Pensamento e Mudança. Porto Alegre: L&PM, 1993.

Inicial | Punctum Saliens | Indução | Hipnose | Neurofisiologia | PNL | Quiropraxia | ARTIGOS | Publicações | Biblioteca | Produtos | Contatos | Site Map


Back to content | Back to main menu